Os dias finais da 8 1/2 Festa do Cinema Italiano: um público que não pára de crescer

Os dias finais da 8 1/2 Festa do Cinema Italiano: um público que não pára de crescer

Non essere cattivo01

Desde a primeira edição que o 8 ½ Festa do Cinema Italiano tem vindo sempre a aumentar o número de espectadores. Mais uma vez, neste fim de semana, este número foi ultrapassado em relação ao mesmo período da passada edição de Lisboa, em 2015.

Mais de 8.200 espectadores entraram nas salas da Festa, um aumento de público de quase 30%, notando-se um excelente resultado no Cinema UCI – El Corte Inglés e na Cinemateca Portuguesa.

Muitas são as propostas da Festa até quinta-feira, cm o festival a receber Checco Zalone, Giuseppe Gaudino, Isabella Sandri, Luca Marinelli, Claudio Cupellini e Gergely Pohárnok.

Giuseppe Gaudino, realizador e co-argumentista de Anna (Per amore vostro) e Isabella Sandri, co-argumentista, estiveram ontem em Lisboa a apresentar o filme, às 21h30, no Cinema São Jorge. O filme que valeu o prémio de melhor actriz a Valeria Golino no Festival de Veneza conta-nos a história de uma mulher que se anula completamente devido ao amor que tem pelos filhos e pelo marido. A sua existência é de tal modo cinzenta que deixa de ver a cores. O filme é uma antestreia com distribuição 8 ½ Festa do Cinema Italiano, que estará em Maio nas salas portuguesas.

Luca Marinelli

Hoje é o dia em que uma das promessas do cinema italiano vem ao festival apresentar dois filmes nos quais está nomeado para o prémio de melhor actor nos David di Donatello, que serão entregues a 18 de Abril. Luca Marinelli é o vilão em Lo Chiamavano Jeeg Robot e actor principal de Non essere cattivo. O primeiro é exibido às 19h00 e o segundo às 21h30, ambos no Cinema São Jorge.

Destaque ainda para a estreia de Estrada 47, de Vicente Ferraz, uma antestreia nacional, co-produção italiana, portuguesa e brasileira com interpretações de Ivo Canelas ou Sergio Rubini, cuja ação se passa durante a Segunda Guerra Mundial, na encosta de uma montanha em Itália. A exibição é hoje, às 21h45 no UCI – El Corte Inglés.

 Também há eventos com entrada livre no Cinema São Jorge: um encontro sobre o Contágio da Cultura, com Percursos Urbanos entre Antropologia e Arte, com Chiara Pussetti e Vitor Barros e Relações Luso-Italianas na Idade Moderna: um Mundo a Descobrir, com Nunziatella Alessandrini e Susana Sousa Bastos, às 17h00, seguindo-se, às 18h30, uma viagem ao figurinismo italiano, com Anabela Becho e Mário Matos Ribeiro, com foco em Elsa Schiaparelli e Umberto Tirelli.

Quo Vado02

Quarta-feira, às 21h30, Alaska é apresentado pelo realizador, Claudio Cupellini e pelo director de fotografia, Gergely Pohárnok e repete quinta-feira, às 19h00, ambas as sessões no Cinema São Jorge. Neste dia, lugar ainda para um concerto Jose e Davide, com letras e música de Mauro Carrero, na sala 2 deste cinema.

 No último dia do festival, o maior fenómeno da comédia de todos os tempos em Itália, Checco Zalone, vem a Lisboa a propósito do êxito de bilheteira que destronou Star Wars, naquele país. Quo Vado?, de Gabriele Nunziante promete terminar a Festa do Cinema Italiano com uma sala cheia de boa disposição.

 Todos os dias há ainda a oportunidade de assistir ao filme 8 ½ de Federico Fellini, em várias sessões diárias no UCI – El Corte Inglés, bem como outras excelentes produções do cinema italiano mais recente. Continua ainda a homenagem a Ettore Scola na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema.

 Toda a programação em www.festadocinemaitaliano.com e facebook.com/festadocinemaitaliano.

Lúcia Gomes

Tem opinião sobre tudo.
É uma perigosa subversiva.
Não gosta de Woody Allen nem de governos de direita.
Adora frio e chuva.