Entrevista aos The Memorials

Entrevista aos The Memorials

© Sarah Millender

Quase a estrearem-se por terras lusas para dois concertos (um em Lisboa outro em Viana do Castelo), os The Memorials, banda do ex-baterista dos The Mars Volta, Thomas Pridgen, concedeu-nos uma pequena entrevista de forma a abrir o apetite para estes espectáculos.

1. Já passaram alguns meses desde que lançaram o vosso segundo disco, “Delirium“, como é que tem sido a sua recepção?
Viveca Hawkins (VH): As pessoas detestam tudo o que nós fazemos! (risos)
Thomas Pridgen (TP): Acho que o feedback tem sido positivo, e eu estou bastante contente com este nosso novo som.

2. Desta vez já se conhecem todos e estão juntos há mais tempo do que pela altura em que gravaram o primeiro disco, de que forma é que isso influenciou a composição e gravação deste novo trabalho?
TP: De certa forma é uma abordagem muito mais madura de tocar o nosso estilo de música…e também acho que desta vez foi tudo numa onda mais relaxada, quando acabámos a digressão dissemos “vamos fazer outro disco”, e foi isso que aconteceu.
VH: Sim, não acho que tenha mudado grande coisa, continuamos livres para fazer o que quisermos.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=hKxGk6kg8js w=470]

3. Depois de várias digressões pelos Estados Unidos, preparam-se agora para uma digressão europeia, como é que correram as apresentações até agora deste álbum e quais são as vossas expectativas na Europa?
VH: Os concertos são sempre divertidos, pelo que ouvi dizer, a Europa é espectacular! Estou ansiosa por isso!

4. Sendo o vosso som uma mistura de todas as vossas diferentes influências, e de parecer por vezes quase que assente numa base de improvisação, isso é algo que gostam de explorar depois quando transpõem os temas para o palco?
TP: Sim, temos imensas jams que se prolongam pelas nossas músicas, gostamos de aproveitar isso.

5. Vão-se estrear em Portugal com dois concertos, um em Lisboa, outro em Viana do Castelo. O que é que podemos esperar desses concertos? Estão ansiosos?
TP: Podem esperar um grande espectáculo. Adoramos os nossos fãs e estamos realmente contentes pela oportunidade de irmos tocar a Portugal. Estive em Lisboa há cerca de três meses e fiquei apaixonado pela cidade.
VH: Apareçam para a festa! Temos um espectáculo muito bom para vocês e adoramos conhecer os nossos fãs!

© Demondre Ward

6. Em Viana do Castelo estão inseridos numa festa de Halloween, vão aproveitar a ocasião para se vestirem a rigor?
VH: Também fazem isso aí? Espectacular! Pensava que era só uma tradição americana (risos), vou ter que pensar em qualquer coisa…Mas provavelmente vai envolver umas pinturas faciais, ou uma máscara.

7. Este é o vosso segundo disco em dois anos, estão já a planear o terceiro para o ano? O que é que podemos esperar dos The Memorials no futuro?
TP: Queremos criar o máximo de música possível, penso que em Janeiro iremos começar já a trabalhar num novo disco porque, de facto, é realmente divertido criar música com estas pessoas.
VH: Tentamos sempre inovar de alguma forma e refinar o nosso som, sem que deixemos de nos manter fiéis e verdadeiros às nossas raízes. Espero que da próxima vez que a nossa música estiver na MTV, as nossas caras estejam lá também!

8. Querem deixar uma última mensagem a quem nos lê?
TP: Mal podemos esperar por estar aí e actuar para vocês. Obrigado por nos seguirem.
VH: Os nossos concertos acabam sempre por aquecer bastante, por isso preparem-se! (risos)

Entrevista por Hugo Rodrigues

Arte-Factos

Webzine portuguesa de divulgação cultural. Notícias, música, cinema, reportagens e críticas. O melhor da cultura num só lugar.

Facebook Twitter LinkedIn Google+ YouTube