Mud

Mud

Mud

Vamos recordar o sentimento perturbador e a cumplicidade / piedade com o protagonista de Take Shelter. Ou o barco, os dois miúdos, a ilha e o sinistro pai de O Regresso, do russo Zvyagintsev. O primeiro é o filme anterior de Jeff Nichols, o realizador deste Mud (Fuga), enquanto o segundo partilha com ele um espaço físico semelhante. Quando sentimos imensas saudades da intensidade emotiva desses filmes extraordinários, é sinal de que Mud se revela uma aparente desilusão.

Acusao da morte do violador da amada Juniper (Reese Witherspoon), Mud (Matthew McConaughey) é um foragido da polícia e de caçadores de prémios que se esconde numa pequena ilha algures ao largo do Texas. Quando Neck e Ellis, dois miúdos que vivem numa casa-barco das redondezas, o encontram (de forma algo precipitada, saliente-se), decidem tentar ajudá-lo a fugir e a recuperar um grande amor, independentemente do perigo que correm.

IMG_7995.CR2

Embora a acção seja inevitável, o maior trunfo do filme está em apresentá-la de forma moderada, de ser apenas um meio para atingir um fim. E o objectivo é mais vasto do que se possa pensar, numa improvável apresentação de ligações amorosas, onde entram o casal citado, o colapso do casamento entre os pais de Ellis e até o sentimento deste miúdo por uma rapariga mais velha.

Só que aquilo que poderia ser uma reflexão brilhante e improvável sobre o amor (incluindo amor dos pais pelos filhos), acaba por revelar-se algo disconexo e superficial. Sentimos isso ao longo do filme, durante mais de duas arrastadas horas, à espera que o final nos traga um pico emotivo que compense uma certa monotonia. Só que, nos antípodas do poderoso e aberto epílogo de Take Shelter, capaz de nos deixar petrificados na sala de cinema, Nichols apresenta-nos uma narrativa totalmente fechada, sem nervo ou grandes surpresas. Há momentos de algum peso dramático, como a revolta de Ellis com Mud na ilha e as cenas que se lhe seguem, mas é tudo muito curto para um filme com elevada expectativa. Até o genial Michael Shannon, protagonista dos filmes anteriores de Nichols, é aqui uma relativamente anónima personagem secundária (o tio de Neck). Será naturalmente coincidência, mas acaba por surgir como metáfora para o menor impacto de Mud.

IMG_5457.CR2

Take Shelter revelava um mago no controlo de emoções e na apresentação de uma personagem complexa e perturbada, prosseguindo um percurso de realização de longas-metragens iniciado com Shotgun Stories. Mud será um passo atrás ou apenas uma pausa antes de um grande regresso (Midnight Special, novamente com Michael Shannon como protagonista)?

e5

Texto de João Torgal

Arte-Factos

Webzine portuguesa de divulgação cultural. Notícias, música, cinema, reportagens e críticas. O melhor da cultura num só lugar.

Facebook Twitter LinkedIn Google+ YouTube