Courteeners no TMN ao Vivo (19/11/2013)

Courteeners no TMN ao Vivo (19/11/2013)

Courteeners

Texto por Henrique Mota Lourenço

Os britânicos Courteeners regressaram a Portugal num cenário bastante diferente daquele que encontraram em 2010. De noite e não à tarde; no centro e não a norte; em nome próprio e não em festival.

Depois de terem passado por Paredes de Coura com “Falcon”, os 5 rapazes da “pequena Manchester”- como eles lhe chamam- apresentam agora “Anna”, o terceiro, e, provavelmente, o seu melhor disco de estúdio até à data.

Em noite de jogo da selecção nacional, foram poucas as pessoas que decidiram trocar a goleada de Cristiano Ronaldo pelo indie morno dos Courteeners e pelo mod-rock dos Fishtails, que asseguraram a primeira parte do concerto. Mesmo assim, a banda de Liam Fray foi-se sentindo em casa, dada a afluência de alguns turistas oriundos de terras de Sua Majestade.

Depois de uma entrada ao som de Tame Impala intercalada com gritos meio embriagados (ou efusivos, não percebemos bem) dos poucos ingleses que ali estavam, os Courteeners lançaram-se de imediato para “Are You In Love With a Notion”, o mais seu mais recente single.

Discreto, salvo raras exceções, o público foi contemplando os músicos, sem que estes lhe dessem grande resposta. Foi preciso fazer-se ouvir “Van Der Graaff” e “Please Don’t” para a plateia despertar e ecoarem novos gritos por “Liam”, embora rejeitados com algum snobismo mesclado com ironia pelo vocalista do grupo.

À medida que o concerto foi decorrendo, fomo-nos apercebendo do cansaço da banda, que, apesar de ter gabado mais tarde as nossas ginginhas, se mostrou algo desgastada, depois de ter estado sete horas parada em aeroportos naquele dia.  A certo ponto, Liam Fray ia até alertando para eventuais “pregos” durante “Scratch Your Name”:” Não tocamos esta há já algum tempo, por isso pedimos desde já desculpa se alguma coisa correr mal”.

Depois de uma breve passagem pela acústica “When You Want Something You Can’t Have” e pela estridente “Loose Control”, os Courteeners retiram-se para encore, deixando Liam e a sua guitarra sozinhos no palco da sala lisboeta, proporcionando assim um dos melhores momentos da noite, que até nos deixou a querer receber um concerto do cantor Inglês a solo.

“Esta música é sobre um pub que querem fechar em Manchester, onde costuma haver uma noite em que passam Smiths e é engraçado ver lá três ou quatro gatos pingados com penteados à Morrisey, explicava o cantor antes de tocar “Smiths Disco”.

Os restantes músicos regressaram para entoar algumas músicas mais antigas como “Here Come  The Young Men” e a clássica “Not Nineteen Forever”, com mais garra do que a meio do concerto,  acabando a sua actuação com “What Took You So Long”.

A nota dos Courteeners é positiva, embora achemos que a banda merecia uma sala mais pequena e adequada à sua dimensão e uma noite em que o melhor do mundo não jogasse.

Arte-Factos

Webzine portuguesa de divulgação cultural. Notícias, música, cinema, reportagens e críticas. O melhor da cultura num só lugar.

Facebook Twitter LinkedIn Google+ YouTube