Músicas da Semana #158

Escolhas de Country Playground:

Jack White

Jack White – That Black Bat Licorice
O Jack White combina muito bem o tipo de som que nós ouvimos. Ele bebe do rock, do blues e do country como poucos e o seu último disco em nome próprio mostra que o faz com um nível fora do comum. Esta é a que se calhar mais temos ouvido nos últimos tempos, mas todo o álbum faz uma excelente companhia.

Neil Young & The Band – Helpless
O The Last Waltz dos The Band está cheio de participações de luxo, mas é impossível ficar indiferente à Helpless com o Neil Young. Voltou a rodar recentemente entre nós, fruto de uma tarde passada numa loja de vinil usado e de estoirar todo o orçamento para a música do mês de uma assentada. Para além disso há toda uma história à volta da inclusão ou não da música no vídeo realizado pelo Martin Scorsese, devido a um problema de imagem do Neil que quem não conhece, pode e deve investigar na internet.

Eagles – Outlaw Man
O Desperado dos Eagles voltou a aparecer na nossa playlist fruto de uma mega promoção numa das grandes lojas da nossa praça. O álbum está cheio de grandes músicas para diferentes ocasiões ou estados de espírito. Esta é a que tem mais rodado nas nossas audições do álbum.

Johnny Cash – Folsom Prison Blues
Clássico do dia-a-dia. Podia ser um fado Português. Perfeito para lembrar que o ser humano quer sempre partir para ser livre e perseguir o sonho da evasão… mesmo que o saiba impossível. Há sempre uma linha de comboio que nos pode levar para longe do que nos prende para um sítio melhor.

Led Zeppelin – You Shook Me
É uma excelente música para aproveitar numa noite de Verão ao ar livre, apenas com as estrelas como companhia. Assim de repente, é mesmo o que está a acontecer agora, numa noite de Agosto no litoral Alentejano.

Escolhas de Cláudia Andrade:

Wife

Wife – Bodies
Fiz uma pequena playlist com 10 boas razões para uma amiga que não gosta de “música bruta” ir ao Amplifest este ano. Esta “Bodies”, de WIFE, projecto a solo de James Kelly dos enormes Altar of Plagues, acabou por fazer parte dela e por rodar o resto da semana. Agora é esperar que a convença a ela e a todos os que ainda pensam que o Amplifest é um festival só para metaleiros.

PJ Harvey – The Dancer
A PJ Harvey nunca ganhou o meu coração, mas quando há músicas que parece que foram feitas para nós, temos de saber aceitar.

Caspian – The Heart that Fed
Esta semana apeteceu-me voltar a ouvir o Hymn For The Greatest Generation e recordar o concerto do ano passado no RCA Club, em especial esta “The Heart that Fed” que foi das que mais gostei de ver ao vivo nessa noite. De vez em quando é preciso remexer nas memórias para nos sentirmos vivos.

Charlie Parker – Koko
Terminada a maratona de 31 filmes com a grande Ingrid Bergman, voltei a pegar em filmes mais recentes para não me sentir completamente fora desta época. Curiosamente, acabei por voltar aos anos 40/50 sem saber com o filme “On the Road” que tem uma banda sonora como já não as fazem. Podia ter escolhido Ella Fitzgerald, Dinah Washington, Billie Holiday, mas o Charlie Parker merece fazer parte das músicas desta semana.

Adoniran Barbosa – Trem das onze
Há músicas que parece que nos perseguem e ao fazê-lo tornam-se parte de nós porque sempre que as ouvimos nos lembramos de todos os momentos em que elas foram a banda sonora da nossa vida. Este “Trem das onze” consegue até tornar as ruas de Lisboa mais bonitas.

Escolhas de Vera Brito:

Beach House

Beach House – Levitation
Só contávamos ouvir Depression Cherry lá para dia 28 de agosto mas os Beach House anteciparam a inevitável proliferação do leak do seu novo álbum e disponibilizaram o streaming na passada semana (ainda não está disponível no nosso país mas com alguma imaginação chegamos lá). “Levitation” é a faixa de abertura e até agora, para mim, a peça chave deste álbum, quanto ao resto ainda não me consegui decidir se a familiaridade com que soa Depression Cherry é reconfortante ou insuficiente. Uma coisa é garantida, em novembro quando regressarem aos nossos palcos irei vê-los!

Panda Bear – Jabberwocky
Quem também mandou música nova cá para fora esta semana foi Panda Bear, que nos presenteou com o EP surpresa Crosswords. Este EP poderia parecer redundante com o seu último álbum ainda tão presente, mas Noah Lennox é uma máquina de criatividade e talvez este EP simbolize o fim do ciclo Panda Bear Meets The Grim Reaper. Esta “Jabberwocky” mereceu várias repetições na minha semana.

Father John Misty – Hollywood Forever Cemetery
Foi também uma semana a lamber as feridas por não ter podido ir a Paredes de Coura (por vezes sinto que sou a única pessoa a trabalhar em agosto) e que melhor maneira de o fazer senão em autocomiseração, afundando-me em tudo o que é álbum e vídeo de Father John Misty? Pronto, já passou e pelo que li o homem nem deu lá grande concerto… Ainda não foi desta Josh, mas tu voltas cá não voltas?

Destroyer – Times Square
Dan Bejar, no seu projecto a solo Destroyer, já me tinha chamado a atenção no passado com o seu álbum Kaputt de 2011, entretanto ficou meio esquecido e foi com esta “Times Square” que esta semana regressou à minha playlist. Tem álbum novo marcado também para dia 28 de agosto e para já sabe bem ouvir a simplicidade dos instrumentos nesta música, com solos clássicos de guitarra e um saxofone glorioso em disputa com um trompete provocador.

Bonobo – Cirrus
Bonobo é presença regular nas minhas semanas, a sua música é perfeita para manhãs de trabalho complicadas. Não percebo como é que um artista destes, que já leva uns bons anos de carreira, só este ano passou pela primeira vez (se não estou em erro) no nosso país, para um concerto esgotadíssimo no Porto que, para variar, não consegui ir. Claramente que há público para o homem cá, pode não esgotar dois dias seguidos no coliseu e encher um Alive, mas tem espaço no cartaz de qualquer festival e até ficava perfeito ali no meio daquela malta porreira que vai tocar no Jardim Sonoro LISB-ON, agora no início de setembro. Alguém que meta os olhos nisto se faz favor!

Escolhas de Hugo Rodrigues:

Athletics

Athletics – II
Esta semana deparei-me com uma daquelas listas de “bandas que devemos conhecer” e, como confio no bom gosto das pessoas que a lançaram, andei a explorá-la. Não me deu a conhecer os Athletics, mas fez-me relembrar da sua existência e do excelente Who You Are Is Not Enough, disco que lançaram no ano passado. A número II é talvez a minha preferida desse trabalho.

Me Versus I – Following Feathers
Se os Thursday e os La Dispute tivessem uma noite quente de amor, nove meses depois o resultado seria estes Me Versus I.

Blis – Floating Somewhere High and Above
Este sim, é um dos casos de bandas novas que conheci na tal lista de que já falei aqui. A Floating Somewhere High and Above é a primeira música de quatro que compõem o EP Starting Fires In My Parents House, editado pela banda em 2014.

Cult Of Luna – Passing Through
É cromo repetido por aqui e que sai várias vezes até. Mas não me interpretem mal, é daqueles que pode sair quantas vezes quiser que eu não me aborreço. A razão para isso é mais do que a música, e é sempre a mesma, é o vídeo assombroso que acompanha a sua versão acústica, gravado pela equipa da Off The Record, numa qualquer noite fria finlandesa (que assumo que sejam todas).

Faith No More – Superhero
Viagens de regresso a Lisboa ao som do mais recente álbum dos Faith No More.

Escolhas de João Neves:

Wilco

Wilco – Why Would You Wanna Live?
Comecemos a viagem com a pergunta que os Wilco fizeram lá para meados de 96. Passaram quase vinte anos e acho que ainda não se encontrou a resposta, não haverá nada melhor que isto?

Garbage – Silence Is Golden
A viagem ao passado desta semana trouxe há rede muito lixo, estranhamente trouxe lixo lindo e dentro desse lixo vinha uma canção onde se afirma que o silêncio é ouro…no meio do lixo também se encontram coisas boas e bem correctas.

Smashing Pumpkins – Rhinoceros
…abóboras esmagadas e rinocerontes também vieram lá no meio.

Rage Against the Machine – Know Your Enemy
Nesta semana voltei a ouvir os Rage Against The Machine, uma das minhas bandas favoritas de sempre, muito graças a Tom Morello, um dos meus guitarristas preferidos e que mais me influencia, muito graças à sua sonoridade de guitarra inovadora em que usa uma perfeita harmonia entre o instrumentos e os efeitos. Know Your Enemy foi simplesmente o mote.

Robert Delong – Just Movement
Na semana em que anunciou um álbum novo que irá ser financiado pela plataforma PledgeMusic andei a ouvir o Just Movement de 2013.

Escolhas de Ricardo Almeida:
©Ricardo Dias

©Ricardo Dias

Linda Martini – Amor Combate
Casa trabalho, trabalho casa. Milhares de pessoas a dormir em pé rodeadas de betão. Hurray! O dito “commuting”, quando não me deixa a dormir em pé também, costuma meter-me a cabeça a trabalhar. No entanto, esta semana só me deu mesmo para a nostalgia. E como se combate um súbito ataque de nostalgia? Batendo no ceguinho sem piedade, está claro.  Estas músicas são dos discos que me acompanharam no carro ao longo da semana.

Nirvana – Something in the Way
Espancado o invisual, envereda-se pela apatia no regresso a casa – já que trânsito, o mal-afamado pára-arranca, não me irrita por aí além.

Joy Division – Shadowplay
8 da amanhã: fresquinho, pseudo-bem disposto com o Unknown Pleasures a tocar aos altos berros.

Amenra – Razoreater
Obviamente, era só de pouca dura, e ao fim da tarde já me apetecia partir coisas.

Massive Attack – Dissolved Girl
Como diziam os Beatles: “que se ***a!”, é sexta-feira! Não é a coisa mais animada do mundo, mas os Massive Attack deixaram-me bem disposto e lá fui eu fazer tristes a andar de skate ao fim do dia.

Arte-Factos

Webzine portuguesa de divulgação cultural. Notícias, música, cinema, reportagens e críticas. O melhor da cultura num só lugar.

Facebook Twitter LinkedIn Google+ YouTube