Goethe Institut programa cinema alemão para o Doclisboa'15

Goethe Institut programa cinema alemão para o Doclisboa’15

unnamed (1)

De 22 de Outubro a 1 de Novembro terá lugar a 13° edição do Festival Internacional de Cinema DOCLISBOA’15 que se dedica este ano a afirmar o cinema como matéria de imaginação crítica, de elaboração de ideários alternativos que nos ajudem a sentir e a pensar melhor.

A programação do DOCLISBOA’15 inclui a retrospectiva I don’t throw bombs, I make films – Terrorismo, Representação, menção directa à frase que constou no poster do filme Terceira Geração de Rainer Werner Fassbinder, onde serão exibidos nove filmes alemães com o apoio do Goethe-Institut Portugal.

O festival apresenta este ciclo como sendo uma retrospectiva que não nasce apenas de uma urgência de actualidade, mas também de uma vontade de compreender a nossa contemporaneidade, no que toca a heranças ideológicas, dinâmicas de poder, determinações geopolíticas. O fenómeno do Terrorismo foi representado de forma plural na história do cinema, muitas vezes até de forma premonitória. Foi, inclusive, um problema cinematográfico, no sentido em que forçou cineastas a repensarem o seu cinema perante acontecimentos de tal forma ruptores da ordem política, social, mesmo estética. É deste esforço e das estratégias cinematográficas inventadas pelos cineastas que esta retrospectiva nos falará.

Programa alemão da retrospectiva I don’t throw bombs, I make films – Terrorismo, Representação

3000 Häuser, Hartmut Bitomsky, Holger Meins, Alemanha Ocidental, 17’, 1967
24 OUT / 19.00, Cinemateca – Sala M. Félix Ribeiro
27 OUT / 22.15, São Jorge – Sala 3

Bambule, Ulrike Meinhof, Eberhard Itzenplitz (realização), Alemanha Ocidental, 90’, 1970
24 OUT / 19.00, Cinemateca – Sala M. Félix Ribeiro
27 OUT / 22.15, São Jorge – Sala 3

Das Netz, Lutz Dammbeck, Alemanha 115’, 2003
26 OUT / 19.00, São Jorge – Sala 3
1 NOV / 19.15, Culturgest – Grande Aud.

Deutschland im Herbst (Germany in Autumn), Alf Brustellin, Rainer Werner Fassbinder, Alexander Kluge, Maximiliane Mainka, Beate Mainka‑Jellinghaus, Peter Schubert, Bernhard Sinkel, Hans Peter Cloos, Edgar Reitz, Katja Rupé, Volker Schlöndorff, Alemanha Ocidental, 119’, 1978
23 OUT / 19.00, Cinemateca – Sala M. Félix Ribeiro
31 OUT / 21.15, Culturgest – Pequeno Aud.

Die bleierne Zeit, Margarethe von Trotta, Alemanha Ocidental, 106’, 1981
23 OUT / 19.30, Culturgest – Grande Aud.
1 NOV / 21.45, São Jorge – Sala 3

Die innere Sicherheit, Christian Petzold, Alemanha, 106’, 2000
24 OUT / 16.30, Culturgest – Grande Aud.
28 OUT / 16.30, Culturgest – Grande Aud.

Farbtest – Die rote Fahne, Carlos Bustamante, Gerd Conradt, Harun Farocki, Holger Meins, Wolfgang Petersen, Helke Sander, Philip W. Sauber, Alemanha Ocidental, 12’, 1968
23 OUT / 16.15, Culturgest – Pequeno Aud.
30 OUT / 21.15, Culturgest – Pequeno Aud.

Johnson & Co und der Feldzug gegen die Armut, Harmut Bitomsky, Holger Meins, Alemanha Ocidental, 18’, 1968
27 OUT / 15.30, Culturgest – Pequeno Aud.
31 OUT / 19.00, Cinemateca – Sala M. Félix Ribeiro

Messer im Kopf, Reinhard Hauff, Alemanha Ocidental, 108’, 1978
25 OUT / 22.30, São Jorge – Sala 3
29 OUT / 16.30, Culturgest – Grande Aud.

Lúcia Gomes

Tem opinião sobre tudo.
É uma perigosa subversiva.
Não gosta de Woody Allen nem de governos de direita.
Adora frio e chuva.