A uma hora incerta, de Carlos Saboga, premiado na Viennale

A uma hora incerta, de Carlos Saboga, premiado na Viennale

unnamed

O filme A uma hora incerta, a segunda longa-metragem de Carlos Saboga, foi distinguido na Viennale – Festival Internacional de Cinema de Viena, com o Prémio do Júri do jornal Standard.

O jornal diário Der Standard atribui este prémio anualmente a um filme que não tenha ainda distribuição comercial assegurada na Áustria, oferecendo-lhe espaço publicitário nas páginas do jornal quando o filme estrear naquele país.

Este prémio atribuído a A uma hora incerta vem juntar-se às restantes distinções que marcam a extensa carreira de Carlos Saboga, onde se destacam títulos como Jaime (1999), O Milagre segundo Salomé (2004), Mistérios de Lisboa (2010) e Linhas de Wellington (2012), os quais lhe valeram vários prémios.

A acção de A uma hora incerta passa-se em Portugal, na década de 1940. Neste cenário, dois refugiados franceses, Boris e Laura, são presos. O inspector Vargas, sentindo-se atraído pela jovem mulher, decide escondê-los em sua casa: um hotel vazio onde vive com a sua filha Ilda e a sua esposa, gravemente doente. Ilda descobre a presença dos refugiados e, consumida por ciúme destes dois estrangeiros, tenta fazê-los desaparecer a todo o custo. O filme conta no elenco com Paulo Pires, Joana Ribeiro, Pedro Lima, Filipa Areosa, Ana Padrão e Joana de Verona e ainda nomes internacionais como Judith Davis e Grégorie Leprince-Ringue.

Lúcia Gomes

Tem opinião sobre tudo.
É uma perigosa subversiva.
Não gosta de Woody Allen nem de governos de direita.
Adora frio e chuva.