Spectre, por David Bernardino

Spectre, por David Bernardino

spectre1

Daniel Craig nunca foi actor consensual para interpretar Bond, James Bond, afastando-se do modelo de charmoso britânico com sentido de humor para adoptar um durão com problemas de personalidade. A personagem reinventou-se, o que não é mau, quando nos deu grandes filmes como Casino Royale ou Skyfall. Infelizmente, em Spectre, parece que tudo correu mal. Sam Mendes, o mesmo realizador de Skyfall, é inexplicavelmente desleixado na direcção do filme, que além de um trabalho de câmara fraco, apresenta os mais banais diálogos, uma profundidade narrativa inexistente e sobretudo performances interpretativas que estão mais preocupadas em “despachar” o mais que anunciado último 007 com Daniel Craig. Se Daniel Craig já havia afirmado publicamente que preferia cortar os pulsos a ter que interpretar novamente James Bond, então essa sua convicção está bem espelhada ao longo das sofríveis duas horas e meia de filme. O actor não se esforça minimamente para dar credibilidade à sua personagem que na verdade pouco pode fazer com um script tão fraco.

Spectre não passa de uma sequência de cenas apressadas, pouco credíveis e que não conseguem fazer o espectador importar-se. Christoph Waltz interpreta o principal vilão (supostamente o mais mau de todos até agora) para chegando a hora da verdade ter direito a uns 10 ou 15 minutos de uma presença que não meteria medo a um rato, e o que dói é ver que o enredo tenta dar algum sentido filosófico a todo o mal que acontece à volta de Bond, apenas para ver essa tentativa despenhar-se em chamas como os vários helicópteros em que os muitos milhões de orçamento foram investidos. Pior, cria uma sub-trama política protagonizada em paralelo por Ralph Fiennes tão desinteressante e inconsequente que faz qualquer Missão Impossível parecer um 2001: Odisseia no Espaço. E o que dizer de uma viúva Monica Belluci que apenas precisa de 3 ou 4 minutos de écrã para tirar a roupa e se envolver com Daniel Craig, qualquer que seja o motivo? Tantas e tantas ideias mal executadas e forçadas pela goela do espectador. É uma pena. Spectre tem uma ou duas cenas boas (não muito boas e muito menos excelentes). A genuinidade do diálogo entre Bond e o ratinho, por exemplo, parece pertencer a outro filme, tal como a primeira aparição do vilão, que na verdade é um copy paste de Eyes Wide Shut de Kubrick. E em qualidade é pouco mais que isso. Em Spectre, James Bond não é um agente secreto sedutor, mas antes um arruaceiro alcoólico invencível que poderia caber noutro qualquer filme de acção genérico. Desastroso. Depois do soberbo Skyfall, este James Bond sai pela porta pequena.

3estrelas

Amante e crítico de cinema. Actualmente escreve no blog de cinema pessoal The Fading Cam em thefadingcam.blogspot.com e, claro, no Arte-Factos.

Facebook