Hinds no Hard Club (06/02/2016)

Hinds no Hard Club (06/02/2016)

#17 Hinds

Fotos por João Monteiro

Foi num dos dias mais chuvosos do ano que decidimos ir até ao Hard Club ver uma das bandas mais aguardadas do semestre, se não do ano – as espanholas Hinds.

Atrasos aqui e ali, os Modernos, a quem coube a responsabilidade de dar as boas-vindas às espanholas, desempenharam muito mais do que o seu papel – a banda fez a festa toda, numa sala surpreendentemente cheia. Há uma discrepância que nos chama à atenção – há aqui um público mais variado do que o habitual. Sabemos bem – nem que seja através dos crowdsurfings em demasia – quem veio para Hinds, que aguarda batendo o pé no canto a sua chegada, e quem veio para a combinação Modernos + Hinds. Chegamos a temer pela vida dos últimos.

Os Modernos são boa disposição atrás de boa disposição – e boa música, também. Falam espanhol – porque eles também aguardam a vinda das meninas de Hinds – exageram nas expetativas mas, sobretudo, dão um espetáculo divertido. E há sempre uma diferença entre um bom concerto e um concerto divertido, de que nos esquecemos facilmente.

Ainda esperamos algum tempo pelo quarteto de Madrid. Quando entram, surpreendem-nos de imediato. Ao contrário do que é esperado da sua música efervescente e nada obediente, as Hinds começam a noite no Hard Club a testar as águas, com acordes menos estridentes e mais concentrados. Provavelmente um reflexo do seu trabalho novo.

Ainda assim, rapidamente se transformam nas forças da natureza que sempre prometeram e demonstraram ser – cantam os clássicos, exaltam-nos com as suas guitarras e cabelos e mostram-nos, sobretudo, que o palco nunca foi nem é um boys’ club. As Hinds aliam a irreverência à libertinagem sem nunca abdicar da qualidade.

Temos pena de não termos seguido a festa até ao Maus Hábitos, onde iriam, de certeza, assegurar a diversão para o resto da noite, com um djset ao lado dos Modernos.

Rita Neves