Triplo 9 (Triple 9)

Triplo 9 (Triple 9)

Triplo 9
Na história do cinema recente existem uma série de géneros cinematográficos cada vez mais numerosos. Encontramos vários dramas e romances, diversos filmes de acção, thrillers e policiais. Em média, com tanta quantidade, vai-se necessariamente perder qualidade, sem que todos os filmes surjam como obras-primas. Em sentido contrário, crescem as cópias, os remakes, reboots, adaptações e spinoffs. Triplo 9, o policial de John Hillcoat, foge a todas estas categorias, encaixando numa outra que não é muito mais positiva: os filmes genéricos.

triple 9

Se nos pedissem para fazermos uma lista de características que consideramos serem mais comuns nos policiais, provavelmente conseguiríamos juntar algumas. O que John Hillcoat faz no seu filme é garantir que consegue juntar tudo o que colocaríamos nesta lista e transportar isso para o grande ecrã. Polícias corruptos, gangs russos, assaltos que correm mal, novatos prodígio e personagens estereotipadas ao máximo; Triplo 9 não falha em nenhuma das paragens. Quando se juntam actores como Woody Harrelson, Kate Winslet, Anthony Mackie, Norman Reedus e Aaron Paul o mínimo que se pode fazer é não lhes dar o guião de como ser um detective de polícia ou o líder de um gang e pedir-lhes para o seguirem à letra. A história e as personagens genéricas não seriam tão perturbadoras se não se visse tanto potencial desperdiçado.

Tentemos abstrair-nos do facto de que já vimos este cenário centenas de vezes na história do cinema. É possível apreciar Triplo 9, não há demasiadas falhas no argumento, pecando pela simplicidade apenas. O filme acaba por se arrastar por algum tempo além daquele que devia e ainda que tenha alguns plot twists imprevisíveis, outros acabam por não fazer muito sentido. Consegue perder-se demasiado para a simplicidade que apresenta e esse será o seu maior problema. Casey Affleck representa a personagem principal, Chris Allen, que tem o papel de lutar contra todas as injustiças praticadas tanto pela polícia como pelos gangs representados. Acaba por não o fazer de um forma tão central como provavelmente era pretendido, mas tem a capacidade de mascar compulsivamente uma pastilha elástica em praticamente todas as cenas em que aparece e isso tem de constar na lista de cenas mais perturbadoras do filme.

triple9

Este Triplo 9 de John Hillcoat ganha pontos por fugir às histórias mais comuns de resgate à filha do presidente ou missão secreta para salvar os Estados Unidos da América, mas não se afasta o suficiente da grande caixa dos filmes genéricos. O argumento em si é um problema menor, quando as personagens estão tão agarradas a um papel que lhes diz como se devem comportar. Este é o filme perfeito para, daqui a alguns anos, uma TV pública agarrar e passar num Domingo à tarde como estreia do mês. Não é o pior fim para um filme, mas provavelmente John Hillcoat ambicionava mais, tendo em conta os actores que juntou. Só não soube como o fazer.

4,5estrelas

Sandro Cantante

Adepto com H grande de videojogos e cinema. Gosto de bons filmes e de bons jogos, acima de qualquer género ou plataforma. Uma pessoa simples que gosta do que é bom apenas.