O Panda do Kung Fu 3 (Kung Fu Panda 3)

O Panda do Kung Fu 3 (Kung Fu Panda 3)

O Panda do Kung Fu 3
Corre o ano de 2016, passaram 8 anos desde que vimos pela primeira vez no grande ecrã Po, o panda que se torna num mestre do Kung Fu. Entretanto tivemos direito a ver novamente este herói num segundo filme em 2011 e em algumas aparições mais breves em formato episódico. É seguro dizer que, por esta altura, já não é surpresa ver um panda a dominar artes marciais, essa lacuna no cinema já foi preenchida há vários anos atrás. Mesmo assim, o que a Dreamworks peca em originalidade, ganha em qualidade de animação, escolha de actores para emprestar a voz e numa brilhante banda sonora.

KungFuPanda

Na terceira entrega deste herói panda, Po parte em mais uma aventura épica para derrotar o mal, aqui na forma de Kai, um guerreiro lendário que ficou esquecido no tempo. Sem poder contar com os seus habituais companheiros, Po encontra o seu verdadeiro pai, Li, que o leva numa viagem para descobrir o que realmente significa ser um panda. Podemos dar a volta a todo o argumento várias vezes, não vamos encontrar um único aspecto que seja minimamente original em filmes de animação e há apenas uma quantidade limitada de vezes que podemos repetir a mesma fórmula sem que esta se torne aborrecida.

A aventura que seguimos não é particularmente diferente de tantas outras que já vimos antes e os diálogos, ainda que cumpram bem a função de entreter sem nunca aborrecer, não são motivo de destaque. Onde O Panda do Kung Fu 3 se destaca é a nível de animação e de construção de cenários. As várias paisagens que vemos ao longo do filme, assim como as personagens que vamos acompanhando, estão desenhadas e animadas de um modo bastante vivo e cativante. O filme da Dreamworks está muitos passos atrás a nível de originalidade, mas consegue estar alguns passos à frente em animação relativamente a muitos outros títulos actuais.

KungFuPanda3

Sonoramente, O Panda do Kung Fu 3 também consegue superar-se, muito graças à banda sonora composta pelo brilhante Hans Zimmer, que completa optimamente a boa animação e os cenários apresentados. A nível de actores que dão voz às personagens, juntando-se aos residentes Jack Black (Po), Dustin Hoffman (Shifu), Angelina Jolie (Tigress) ou Jackie Chan (Monkey) juntam-se nomes como Bryan Cranston (Li) e J.K. Simmons (Kai), numa escolha que dificilmente poderia ser melhor.

O terceiro filme do Panda do Kung Fu tem tudo o que se pode esperar, e mais, a nível de som e imagem. A animação é bastante boa e a banda sonora é brilhante, mas falta-lhe o conteúdo original necessário para ser um título a merecer destaque dentro dos filmes de animação. Depois do que temos visto neste género nos últimos anos a nível de originalidade, as expectativas são elevadas e já não basta repetir fórmulas para conseguir reconhecimento. O filme da Dreamworks destaca-se em todos os outros aspectos e é recomendável dentro do género, mas falta-lhe algo que nunca deve passar para segundo plano, independentemente do género ou do público-alvo.

6,5estrelas

Sandro Cantante

Adepto com H grande de videojogos e cinema. Gosto de bons filmes e de bons jogos, acima de qualquer género ou plataforma. Uma pessoa simples que gosta do que é bom apenas.