Hardcore

Hardcore

Hardcore

O conceito não é novo, Gaspar Noé já o fez com Enter the Void – Viagem Alucinante e Giulio De Santi com Hotel Inferno, em 1947 O Prisioneiro do Passado tentou o feito com Humphrey Bogart, mas é a primeira vez que alguém planeia a coisa sem pretensões artísticas e com a noção de que não basta ter uma gimmick.

01

Hardcore é um filme de acção na primeira pessoa, mas acima de tudo é uma homenagem a videojogos como Half-Life ou Counter Strike. Vemos tudo pelos olhos da personagem principal, neste caso Henry, que acorda num  laboratório com amnésia e um par de membros a menos, junto a ele temos uma cientista que diz ser a sua mulher e que prontamente lhe dá as “peças” em falta. Infelizmente, é quando lhe está prestes a ser instalado um módulo de fala, que um vilão com poderes telecinéticos entra pelo laboratório adentro obrigando-o a fugir e a deixar a sua amada para trás. Resta-lhe confiar numa personagem misteriosa chamada Jimmy, que para além de ser uma espécie de tutorial para o seu novo corpo pode também guardar alguns segredos sobre o passado que esqueceu.

Antes de mais, sim, há um período de habituação aos movimentos repentinos e à maneira como devemos esperar a acção, afinal de contas só há uma câmara, mas isso não impede que a acção seja muito bem construída. O filme tem pouco mais de hora e meia, a dose certa para uma experiência deste género, mas desenganem-se os que acham que basta haver explosões e boas coreografias de luta para o filme resultar, o engenho aqui reside também na trama que apesar de simples dá as migalhas necessárias para irmos aprendendo à medida que vemos o mundo pelos olhos de Henry. Outro factor importante que torna esta viagem tão divertida como descomprometida é o filme não se levar demasiado a sério e o humor ser uma constante, jogando com as expectativas do espectador e do género. A violência é outro espelho desse descomprometimento, não dá tréguas e há já muito tempo que não via tanto à vontade numa distribuição em cinema, desde o genérico inicial (talvez um dos mais criativos dos últimos tempos) que o filme grita «sabias que era para maiores de 18 anos, agora aguenta».

Hardcore henry

Apesar do projecto ter saído da cabeça fresca de Ilya Naishuller, um estreante no campo das longas-metragens, foi o envolvimento de Sharlto Copley que fez com que o projecto andasse para a frente. O actor de District 9Elysium, para além de fazer um papel memorável do qual não posso falar muito, vestiu a pele de produtor depois de ter assistido a um videoclip do realizador russo. Suspeito que a pequena participação de Tim Roth também terá surgido depois do filme estar terminado e do actor ter demonstrado vontade de fazer parte do mesmo.

Apesar de tudo não é um filme para todos, é demasiado estilizado para ser consensual, mas todos os fãs de videojogos vão gostar das referências espalhadas um pouco por todo o lado, os fãs de acção over the top vão ficar deliciados e os apreciadores de gore vão ficar bem surpreendidos com a violência que, na verdade, é quase cartoonesca. Hardcore é um filme gimmick mas não se fia só nisso e faz com que o produto final resulte.

8estrelas

José Santiago