Jia (The Family)

Jia (The Family)

Jia

Numa época em que os reality shows se tornaram o pão nosso de cada dia é estranho que não haja realmente um exemplo de algo que transmita a vida, tal qual como ela é, ao vivo. Com um teor muito mais cómico, Peter Weir ofereceu no passado The Truman Show, que tentava antecipar aquilo que seria o futuro dos reality shows, mas aquela realidade acabou por não se reflectir no que veio a acontecer. Entre a ridicularização da vida que podemos assistir hoje em dia na TV e a vida, tal como ela é, continua a existir um grande fosso. É aqui que entra The Family, escrito e realizado por Shumin Liu, que se apresenta, ao longo de quatro horas e quarenta minutos, uma autêntica experiência social, dura e crua, sem deixar de ser artificial.

jia

Seguimos, praticamente em directo e ao minuto a vida de Liu e Deng. Casados há mais de meia década, este casal comum procura juntar-se com os restantes membros da família, três filhos e dois netos, que se encontram em diferentes locais no país, separados entre si: a filha mais velha, Liqin, que vive ainda com os pais após sucessivos interesses amorosos falhados de onde resultaram uma criança, Pengpeng; a filha mais nova, Xiaomin, que é casada, vive mais confortavelmente e tem também uma filha, Pingping; Xujun, o filho mais novo que vive com Lulu e não se vê com condições financeiras de dar um novo neto a Liu e Deng. Esta é a família a que nos vamos acostumar à medida que o filme vai avançando e temos tempo suficiente para perceber todas as características e relações que há entre os elementos.

Não há volta a dar aqui, The Family é um filme demasiado longo. A intenção de nos fazer habituar à família e desenvolver uma relação forte com cada um dos elementos é cumprida e tem uma importância extrema, mas funcionaria de igual modo se cortássemos cerca de 2 horas de filme. Os diálogos são muito bem escritos e fazem-nos sentir como alguém que faz parte da acção, mas é nas restantes cenas que o filme perde e torna-se várias vezes aborrecido. Se é verdade que todas as cenas têm uma importância significativa para conhecer exaustivamente as personagens, não era, de todo, necessário tanto. Fazendo o exercício de juntar todas as vezes que acompanhamos Deng a cortar alimentos e a cozinhá-los facilmente ultrapassamos a meia hora e isto é um problema sério.

thefamily

A experiência de Shumin Liu foi realizada com o objectivo claro de captar um pedaço de vida e transmiti-lo ao grande público. Ficamos a conhecer algumas regiões chinesas quase tão bem como se tivéssemos lá passado, acompanhamos uma família que vamos perceber tão bem como se fosse a nossa e no final sentimos uma emoção forte com o desfecho, apenas possível pelo extenso trabalho realizado anteriormente. No entanto, este é um filme para poucos e razão é a mesma pela qual os reality shows optam por fantochadas que pouco correspondem à vida real: há poucas pessoas interessadas em ver a vida de outrem tal e qual como ela é. The Family consegue o feito de ter perto de cinco horas de duração e nem por isso deixar de ser uma experiência muito interessante, mas é impossível, de tempo a tempo, não sentir um tremendo aborrecimento com o estender de cenas que se repetem vezes sem conta.

5,5estrelas

Sandro Cantante

Adepto com H grande de videojogos e cinema. Gosto de bons filmes e de bons jogos, acima de qualquer género ou plataforma. Uma pessoa simples que gosta do que é bom apenas.